Arquitetura de teatros e anfiteatros no mundo romano

Artigos > Roma Antiga  |  197 visualizações  |  2072 palavras

Capa do artigo: Arquitetura de teatros e anfiteatros no mundo romano

Teatro romano construído em 155 d.C. em Aspendos na atual Turquia.

Tradução feita a partir de artigo publicado no site do MET, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Laura S. Klar, do departamento de arte greco-romana do museu, e publicado em outubro de 2006. O texto não possui bibliografia, mas a autora adicionou uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo, além de alguns subtítulos.

O espetáculo era parte integrante da vida no mundo romano. Algumas formas de espetáculo - procissões triunfais, funerais aristocráticos e banquetes públicos, por exemplo - tomavam como pano de fundo a própria cidade. Outros aconteciam em prédios construídos para receber espectadores: teatros para peças de teatro e outros entretenimentos cênicos, anfiteatros para combates de gladiadores e shows de feras, estádios para competições de atletismo e circos para corridas de bigas.

Como um todo, essa cultura abrangente de espetáculo serviu tanto como veículo de auto-propaganda da elite sociopolítica, quanto como meio de reforçar os valores e instituições compartilhados por toda a comunidade.

Teatro no mundo romano

De acordo com o historiador antigo Lívio, a atividade teatral mais antiga em Roma tomava a forma de danças com acompanhamento musical, introduzidos na cidade pelos etruscos em 364 a.C. O registro literário também indica que Atellanae, uma forma de farsa nativa itálica (muito parecida com os phyakes do sul da Itália), já era realizada em Roma em uma data relativamente antiga.

Em 240 a.C., peças teatrais completas foram introduzidas em Roma pelo dramaturgo Lívio Andrônico, natural da cidade grega de Taranto, no sul da Itália. As primeiras peças latinas que sobreviveram intactas são as comédias de Plauto (ca. 205–184 aC), que foram principalmente adaptações da Nova Comédia Grega.

A tragédia latina também floresceu durante o século 2 a.C. Enquanto alguns exemplos do gênero tratavam de histórias da mitologia grega, outros estavam preocupados com episódios famosos da história romana. Depois do século 2 a.C., a composição da tragédia e da comédia declinou precipitadamente em Roma.

Durante o período imperial, as formas mais populares de entretenimento teatral eram a mímica (produções cómicas ribaldesas com tramas sensacionais e insinuações sexuais) e pantomima (performances de dançarinos solistas com acompanhamento coral, geralmente recriando mitos trágicos).

Alguns estudiosos acreditam que essa estátua de 10 cm de altura, retrata um ator de mímica. Cerca de 2 a.C. MET. N° 12.229.6

As principais ocasiões para espetáculos dramáticos no mundo romano eram festivais religiosos anuais, ou ludi, organizados por magistrados eleitos e financiados pelo tesouro do estado. As dedicatórias do templo, os triunfos militares e os funerais aristocráticos também ofereciam oportunidades para performances cênicas.

Teatros temporários

Até 55 a.C., não haviam teatros permanente na cidade de Roma, e as peças eram encenadas em estruturas temporárias de madeira, feitas para serem usadas por algumas semanas no máximo. As fontes antigas concordam que o atraso na construção de um teatro permanente deveu-se à ativa oposição senatorial, embora as possíveis razões para essa resistência (preocupação com a moralidade romana, medo da sedição popular, competição entre a elite) continuem sendo objeto de debate.

Relatos literários de teatros temporários indicam que eles podiam ser bastante elaborados. O mais bem documentado é um teatro erigido pelo magistrado M. Aemilius Scaurus em 58 a.C., que, segundo relatos de Plínio, tinha um palanque composto de três andares de colunas e ornamentado com 3.000 estátuas de bronze.

O Teatro de Pompeu em Roma

O primeiro teatro permanente na cidade de Roma foi o Teatro de Pompeu, construído em 55 a.C. pelo rival de Júlio César, Pompeu, o Grande. Esse teatro, do qual apenas as fundações estão atualmente preservadas, era uma estrutura enorme, chegando a aproximadamente 45 metros de altura e capaz de comportar até 20 mil espectadores.

Reconstrução digital do que teria sido o teatro de Pompeu em Roma. Autor desconhecido.

Nos fundos da construção do palco havia um grande pórtico com colunatas, que abrigava obras de arte e jardins. Construído na esteira das espetaculares campanhas militares de Pompeu nos anos 60 a.C., o teatro funcionou em grande parte como um monumento à sua vitória.

A cavea (arquibancada) era coroada por um templo dedicado a Vênus Victrix, a divindade patronal de Pompeu, e o teatro era decorado com estátuas da deusa Vitória e personificações das nações que Pompeu subjugou em batalha.

Templo dedicado a Vênus Victrix dentro do Teatro de Pompeu. Reconstrução digital, autor desconhecido.

A dedicação de Pompeu efetivamente canonizou a forma do teatro romano, fornecendo um protótipo que seria replicado em todo o império por quase três séculos.

As diferenças entre o teatro romano e o grego

Este novo tipo de construção diferia de maneira notável do teatro grego tradicional. Este último consistia em duas estruturas separadas: uma área de assentos em forma de ferradura e um palco independente.

Teatro grego de Epidauro, construído no século 4 a.C.

O teatro romano, em contraste, era um edifício completamente fechado, sem teto, mas muitas vezes coberto de toldos em dias de performance. A área dos assentos no teatro grego era apoiada em uma encosta natural, enquanto no teatro romano era segurada, pelo menos em parte, por abóbadas de concreto, que forneciam o acesso do exterior do edifício à arquibancada.

Teatro romano de Sabratha, na Líbia. Observe como, em oposição ao teatro grego, as arquibancadas faziam parte de uma estrutura construída em pedra.

No mundo helenístico, a construção do palco era uma estrutura relativamente baixa, ornamentada com painéis pintados, mas raramente com escultura em grande escala. O teatro romano, por outro lado, caracterizava-se por um alto, largo scaenae frons (palco frontal) com várias histórias, articulado por colunas autônomas e ricamente ornamentado com estátuas de deuses e heróis e retratos da família imperial e luminares locais.

As diferenças arquitetônicas entre o teatro romano e seu antecessor grego não são satisfatoriamente explicadas por fatores funcionais como óptica, acústica ou necessidades de preparo.

Teatro romano em Aspendos, Turquia.

Em vez disso, a adaptação de Roma do teatro grego parece ter sido impulsionada em grande parte por forças sociais e políticas. As scaenae frons, por exemplo, podem ter se desenvolvido para abrigar estátuas saqueadas da Grécia e da Ásia Menor por generais romanos e expostas em jogos triunfais como prova de suas proezas militares.

A scaenae frons era o nome de uma estrutura permanente altamente decorada que servia de fundo de palco para um teatro romano.

A arquitetura do teatro romano também sinaliza a preocupação romana pelo controle social e pela exibição hierárquica. Em contraste com o mundo grego, onde os assentos no teatro eram amplamente abertos, o público romano era rigorosamente segregado com base em classe, gênero, nacionalidade, profissão e estado civil.

Isso se reflete tanto na forma fechada do teatro romano, que restringia o acesso ao edifício, quanto no sistema de subestruturas abobadadas, o que facilitava o encaminhamento de espectadores para o setor adequado de assentos.

O anfiteatro no mundo romano

Em contraste com o teatro romano, que evoluiu de modelos gregos, o anfiteatro não tinha precedentes arquitetônicos no mundo grego. Da mesma forma, os espetáculos que aconteciam no anfiteatro - combates de gladiadores e venationes (shows de animais selvagens) - eram de origem itálica, não grega.

A mais antiga evidência segura para os combates de gladiadores vem da decoração pintada de um túmulo em Paestum, no sul da Itália, do século 4 a.C. Vários autores antigos registram que o combate de gladiadores foi introduzido em Roma em 264 a.C., por ocasião de munera (jogos fúnebres) em homenagem a um cidadão de elite chamado D. Iunius Brutus Pera.

Pintura em túmulo de Paestum.

Em meados do século 1 a.C., as competições de gladiadores eram encenadas não apenas em funerais, mas também em festivais patrocinados pelo estado (ludi). Durante todo o período imperial, eles permaneceram como uma rota importante para o favorecimento popular dos imperadores e líderes provinciais.

Em 325 d.C., Constantino, o primeiro imperador cristão, proibiu o combate de gladiadores, alegando que era muito sanguinário para o tempo de paz. Evidências literárias, epigráficas e arqueológicas indicam, no entanto, que os jogos de gladiadores continuaram pelo menos até meados do século 5 d.C.

Cabeça de uma estátua do imperador Constatino, conhecida como o Colosso de Constantino. Museu Capitolino, Roma.

Como no caso do entretenimento teatral, os locais mais antigos para os jogos de gladiadores em Roma eram estruturas temporárias de madeira. Já em 218 a.C, de acordo com o historiador Lívio, as competições de gladiadores eram encenadas no espaço aberto e alongado do Fórum Romano, com estandes de madeira para os espectadores.

Estas estruturas temporárias provavelmente forneceram o protótipo do anfiteatro monumental, um tipo de edifício caracterizado por uma área de assento elíptica que envolve um espaço plano de espetáculo.

O primeiro anfiteatro de pedras seguramente datável é o de Pompéia, construído entre 80 e 70 a.C. Como a maioria dos antigos anfiteatros, o exemplo pompeiano tem uma aparência austera e funcional, com os assentos parcialmente apoiados em aterros de barro.

As ruínas do anfiteatro de Pompéia vistas de cima. Observe como a construção se aproveitou do relevo para a construção das arquibancadas.

O primeiro anfiteatro de pedra em Roma foi construído em 29 a.C. por T. Statilius Taurus, um dos generais mais confiáveis ​​do imperador Augusto. Este edifício pegou fogo durante o grande incêndio de 64 d.C. durante o reinado de Nero, e foi substituído pelo Coliseu, construído pelo imperador Titus em 80 d.C. e ainda um dos marcos mais proeminentes de Roma.

Ao contrário dos anfiteatros anteriores, o Coliseu apresentava comodidades elaboradas no subsolo, incluindo gaiolas para animais e elevadores mecânicos, além de um complexo sistema de subestruturas de concreto abobadadas. A fachada consistia em três andares de arcadas superpostas ladeadas por colunas engajadas das ordens toscana, jônica e coríntia.

Reconstrução da aparência original do Coliseu no século 1 d.C. Autor desconhecido.

Representações do edifício em moedas antigas indicam que estátuas colossais de deuses e heróis estavam nas arcadas superiores. A inclusão de ordens colunares gregas e cópias de estátuas gregas pode refletir o desejo de promover o anfiteatro, um tipo de construção exclusivamente romano, ao mesmo nível na hierarquia arquitetônica do teatro, com seus veneráveis ​​precedentes gregos.

Além dos combates de gladiadores, o anfiteatro oferecia o local para as venationes, espetáculos envolvendo o abate de animais por caçadores treinados chamados venatores ou bestiarii. Venationes eram caros para montar e, portanto, serviam para anunciar a riqueza e generosidade de seus patrocinadores.

O Mosaico dos Gladiadores mostra animais sendo mortos em combate nas arenas romanas. Século 4 d.C. Galeria Borghese.

A inclusão de espécies exóticas (leões, panteras, rinocerontes, elefantes, etc.) também demonstrava o vasto alcance do domínio romano. Um terceiro tipo de espetáculo que ocorria no anfiteatro era a execução pública. Criminosos condenados eram mortos por crucificação, cremação ou ataque por feras, e às vezes eram forçados a reviver mitos horripilantes.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Arquitetura romana

As termas romanas

Fontes bibiliográficas:

Beacham, Richard C. The Roman Theatre and Its Audience. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1992.
Bieber, Margarete. The History of the Greek and Roman Theater. 2d ed., rev. and enl. Princeton: Princeton University Press, 1961.
Ciancio Rossetto, Paola, and Giuseppina Pisani Sartorio, eds. Teatri greci e romani: Alle origini del linguaggio rappresentato. 3 vols. Rome: Edizioni SEAT, 1994–96.
Frézouls, Edmond. "Aspects de l'histoire architecturale du théâtre romain." In Aufstieg und Niedergang der römischen Welt, vol. II.12.1, edited by Hildegard Temporini, pp. 343–441. Berlin: W. de Gruyter, 1982.
Golvin, Jean-Claude. L'amphithéâtre romain: Essai sur la théorisation de sa forme et de ses fonctions. 2 vols. Paris: Diffusion de Boccard, 1988.
Welch, Katherine E. The Roman Amphitheatre: From Its Origins to the Colosseum. New York: Cambridge University Press, 2003.
Wiedemann, Thomas. Emperors and Gladiators. London: Routledge, 1992.

Artigo publicado em 19/08/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.