Vasos gregos: Hídrias e sua decoração artística

Artigos > Grécia Antiga  |  652 visualizações  |  1179 palavras

Capa do artigo: Vasos gregos: Hídrias e sua decoração artística

Hídrias do século 6 e 3 a.C. MET. N° 06.1021.77 / 90.9.5 / 64.11.1

Tradução feita a partir de artigo publicado no site do MET, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Colette Hemingway e Seán Hemingway, do departamento de arte greco romana do museu, e publicado em julho de 2007. O texto não possui bibliografia, mas os autores adicionaram uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo, e também adicionei alguns subtítulos para tornar a leitura mais agradável.

A hídria, que inicialmente era uma jarra para buscar água, deriva seu nome da palavra grega para água. Hídrias aparecem frequentemente representadas em vasos gregos pintados com cenas de mulheres carregando água de uma fonte, um dos deveres das mulheres na antiguidade clássica.

Entre as muitas mudanças trazidas à cidade de Atenas por Psístrato e seus filhos está uma melhoria no sistema de água e novas fontes públicas. Durante o final do século 6 a.C. cenas de mulheres pegando água em fontes tornaram-se muito populares em vasos de figuras negras. Aqui mulheres se reúnem para conversar e encher sua hídrias. Vaso de argila do século 6 a.C. MET. N° 06.1021.77

Uma hídria tem duas alças horizontais nas laterais para levantar e uma alça vertical na parte de trás para mergulhar e derramar. De todas as formas de vasos gregos, a hídria provavelmente recebeu o tratamento mais artisticamente significativo em argila e bronze.

A evolução da hídria de argila do século 7 ao 3 a.C. está bem representada na coleção grega do Museu Metropolitano (MET). Os vasos mais antigos geralmente têm um corpo largo e um ombro muito arredondado. Mas em algum momento antes da metade do século 6 a.C., a forma evoluiu para uma com um ombro mais plano que encontra o corpo em um ângulo agudo.

No final do século 6 a.C., se desenvolveu uma variante conhecida como kalpis. Com uma curva contínua da borda através do corpo do vaso, tornou-se o tipo preferido dos pintores de vasos de figuras vermelhas.

O kalpis era uma nova forma de vaso no início dos anos 400 a.C. O perfil arredondado substituía a forma mais antiga e angular da hídria. Getty Museum. N° 82.AE.7

Hidrias de argila preta do final do período Clássico eram às vezes decoradas com uma coroa dourada, que era pintada ou aplicada em relevo raso ao redor do pescoço do vaso. Estas grinaldas douradas imitavam coroas de ouro que eram colocadas ao redor de hídrias de bronze, exemplos dos quais foram encontrados em túmulos macedônios. Hídrias desse período posterior, o Helenístico, tendem a ser mais esguias e alongadas.

Hídria e coroa de ouro encontrada no túmulo do rei Alexandre IV da Macedônia. Museu Arqueológico de Vergina. Pintores copiaram esse padrão fazendo desenhos no pescoço dos vasos.

Hídrias de bronze

As hídrias de bronze compreendem um corpo que foi martelado, e um pé e alças que foram fundidos e decorados com motivos figurativos e florais. Às vezes as molduras e outros elementos decorativos do pé, alças e borda eram embelezados com incrustações de prata.

Hídria de bronze com detalhes em prata e nielo. O formato e a adição de uma figura esculpida abaixo do cabo é um padrão comum do século 4 a.C. MET. N° 44.11.9

A pátina verde evidente em muitas hídrias de bronze grego é um resultado da corrosão ao longo dos séculos. Originalmente, estes vasos tinham uma tonalidade dourada, cobre ou castanha, dependendo da liga de bronze particular que era usada.

As alças verticais fundidas poderiam ser particularmente elaboradas, tomando a forma de figuras humanas e animais poderosos. Imagens de divindades e outras figuras mitológicas aparecem em alguns dos vasos mais ornamentados do período Clássico.

Sirenes

Um tipo particularmente popular de cerâmica de bronze apresenta uma sirene na base do cabo vertical do vaso.

Detalhe de uma sirene em um cabo de um kalpis do século 5 a.C. Phoenix Ancient Art. N° 2660

Sirenes - parte mulher e parte pássaro - eram criaturas mitológicas que frequentemente tinham conotações funerárias. Seu lendário canto atraía os marinheiros para o naufrágio e a morte. Freqüentemente, sirenes aparecem em lápides gregas clássicas como se lamentassem ou vigiassem o falecido.

Um dos vasos gregos mais famosos que existem: O vaso Sirene, representa um trecho da Odisséia em que Ulisses, preso ao mastro de seu barco, é atacado por sirenes. Museu Britânico. N° 1843,1103.31

Talvez sua aparência nos vasos demonstre a função funerária dos vasos. Ou, mais geralmente, estas criaturas mitológicas podem representar atendentes do sexo feminino. Nas alças de hídrias de bronze, as sirenes são representadas com as asas abertas, como se estivessem em pleno vôo. Talvez eles estejam ajudando a levantar o recipiente e derramar seu conteúdo líquido.

Popularidade e utilização

Como sua contraparte de argila, o kalpis tornou-se a forma mais popular de hídria de bronze no século 5 a.C. Esses vasos de metal eram usadas não apenas para a água, mas também como urnas crematórias, urnas para votos, oferendas votivas e como prêmios para competições realizadas em santuários gregos.

Uma inscrição ocasional em um aro descreve seu uso como oferenda a um deus ou como prêmio por uma competição atlética ou musical. Muitos exemplos bem preservados desses vasos de bronze foram encontrados em tumbas.

Essa hídria de bronze do século 5 a.C. ainda conta com a sua tampa original altamente estilizada. Sabemos pela inscrição no vaso que esta hídria foi um prêmio concedido ao vencedor dos jogos para a deusa Hera em seu santuário em Argos, no Peloponeso. MET. N° 26.50

Como muitos vasos gregos, a hídria normalmente tinha uma tampa que raramente foi preservada. Essa cobertura podia ser bem alta e estreita. Quando uma hídria era usada como uma urna, a tampa podia ser feita de outro material, como o chumbo, que era simplesmente achatado sobre a borda do vaso. O gesso também era usado para selar os restos cremados. Em outras ocasiões, a tampa era feita do mesmo material que o resto do vaso (como no exemplar acima).

Hídrias de Hadra: urnas crematórias

Nos tempos helenísticos, durante a primeira metade do século 2 a.C., desenvolveu-se um novo tipo regional de hídria, conhecida como hídria de Hadra (jarra de água usada como urna crematória). Esses vasos levam seu nome do cemitério Hadra de Alexandria, no Egito, onde muitos exemplos foram descobertos no final do século 19.

Urna funerária do século 2 a.C. decorada com figuras negras e com a tampa original conservada. A inscrição grega Dorotheou, 'de Dorotheos', se refere ao nome da pessoa cujas cinzas estão no vaso. Museu Britânico. N° 1995,1003.1

No entanto, análises e pesquisas científicas revelaram que as hídrias de Hadra foram feitas no oeste de Creta e exportadas para o Egito. Eles também foram usados ​​para enterros em Creta e foram escavadas em túmulos em Phaistos.

As hídrias de Hadra são tipicamente decoradas com tinta preta, e muitas delas têm inscrições que identificam o falecido e o ano em que morreram. Em alguns casos, as hídrias de Hadra são revestidas com uma folha branca e depois decoradas com tinta policromada. Essas hídrias de Hadra em particular são provavelmente o produto de oficinas locais de Alexandria, e fornecem informações valiosas sobre os costumes dos gregos que viviam no Egito durante o reinado dos Ptolomeus no período helenístico.

Para mais informações sobre os vasos gregos, leia nosso outro artigo sobre a História dos Vasos Gregos.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Cerâmica grega

História dos vasos gregos

Para que serviam os vasos gregos?

Fontes bibiliográficas:

Cook, Brian F. Inscribed Hadra Vases in the Metropolitan Museum of Art. New York: The Metrpolitan Museum of Art, 1966.
Cook, R. M. Greek Painted Pottery. 3d ed. New York: Routledge, 1996.
Diehl, Erika. Die Hydria: Formgeschichte und Verwendung im Kult des Altertums. Mainz am Rhein: P. von Zabern, 1964.
Karetsou, Alexandra, Maria Andreadaki-Vlazaki, and Nikos Papadakis, eds. Crete-Egypt: Three Thousand Years of Cultural Links. Exhibition catalogue. Herakleion and Cairo: Hellenic Ministry of Culture, 2000.
Richter, Gisela M. A., Marjorie J. Milne. Shapes and Names of Athenian Vases. New York: Plantin Press, 1935.
Stibbe, Conrad M. The Sons of Hephaistos: Aspects of the Archaic Greek Bronze Industry. Rome: L'Erma di Bretschneider, 1998.

Artigo publicado em 07/07/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.