Sobre as cópias romanas de estátuas gregas

Artigos > Roma Antiga  |  123 visualizações  |  515 palavras

Capa do artigo: Sobre as cópias romanas de estátuas gregas

Estátua de mármore de amazona ferida. Cópia romana de estátua grega que provavelmente ficava no templo de Ártemis em Éfeso. 2 metros de altura. MET. N° 32.11.4

Tradução feita a partir de artigo publicado no site do MET, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito pelo departamento de arte greco romana do museu, e publicado em outubro de 2002. O texto não possui bibliografia, mas os autores adicionaram uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo.

No final do século 4 a.C., os romanos iniciaram uma política de expansão que, em 300 anos, fez deles os mestres do mundo mediterrâneo. Impressionados com a riqueza, a cultura e a beleza das cidades gregas, generais vitoriosos voltaram a Roma com saques que incluíam obras de arte em todas as mídias e formatos.

Em breve, romanos educados e ricos desejavam obras de arte que evocassem a cultura grega. Para atender a essa demanda, artistas gregos e romanos criaram cópias em mármore e bronze das famosas estátuas gregas.

Moldes retirados das esculturas originais foram usados ​​para fazer moldes de gesso que poderiam ser enviados para oficinas em qualquer lugar do Império Romano, onde elas foram replicadas em mármore ou bronze.

Essa famosa estátua grega chamada Discóbolo, do artista Míron, é uma cópia romana. O original não sobreviveu. Museu Britânico.

Artistas usaram gesso oco para produzir réplicas de bronze. Moldes de gesso com numerosos pontos de medição foram usados ​​para cópias de mármore. Como as cópias em mármore não têm a resistência à tração do bronze, elas precisavam de escoras ou suportes, que geralmente eram esculpidos na forma de troncos de árvores, figuras humanas ou outros tipos de imagens.

Embora muitas esculturas sejam puramente romanas em sua concepção, outras são cópias exatas de estátuas gregas cuidadosamente medidas, ou variantes de protótipos gregos adaptados ao gosto de um patrono romano.

Segundo a autora Susan Woodford, em sua obra sobre a arte Greco-Romana, a famosa estátua do imperador Augusto foi baseada na estátua Doriforo de Policleto. Algumas mudanças foram feitas pelo novo escultor como adicionar roupas, diminuir a idealização do personagem e adicionar foco no olhar e pose de liderança ao líder romano.

Algumas esculturas romanas são uma mistura de mais de um original grego, outras combinam a imagem de um deus grego ou atleta com uma cabeça de um retrato romano.

O significado da estátua grega original muitas vezes emprestava beleza, importância ou uma qualidade heróica à pessoa retratada. No século 2 d.C., a demanda por cópias de estátuas gregas era enorme - além de sua popularidade doméstica, os numerosos monumentos públicos, teatros e banhos públicos de todo o império romano eram decorado com nichos cheios de estatuária de bronze e mármore.

Os nichos do Coliseu em Roma abrigavam dezenas de estátuas. Nessa reconstrução o artista adicionou as estátuas que hoje não existem mais.

Já que a maioria das antigas estátuas de bronze foram perdidas ou foram derretidas para reutilizar o valioso metal, cópias romanas em mármore e bronze geralmente fornecem nossa principal evidência visual de obras-primas de famosos escultores gregos.

Por exemplo, todas as estátuas de mármore na área central da Galeria Mary e Michael Jaharis do Museu Metropolitano de Nova York são cópias feitas durante o período romano, datando do século 1 a.C. até o século 3 d.C. E elas reproduzem estátuas feitas por artistas gregos cerca de 500 anos antes, durante os séculos 5 e 4 a.C.

Estátuas da Galeria Mary e Michael Jaharis do Museu Metropolitano de Nova York.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Arte greco-romana

Os sarcófagos romanos do Baixo Império

Fontes bibiliográficas:

Hemingway, Sean "Posthumous Copies of Ancient Greek Sculpture: Roman Taste and Techniques." Sculpture Review 60, no. 2 (Summer 2002), pp. 26–33.
Ridgway, Brunilde S. Greek Sculpture in the Art Museum, Princeton University: Greek Originals, Roman Copies and Variants. Princeton: Princeton University Museum, 1994.
Ridgway, Brunilde Sismondo. Roman Copies of Greek Sculpture: The Problem of the Originals. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1984.
Woodford, Susa. História da Arte da Universidade de Cambridge: Grécia e Roma. São Paulo: Círculo do Livro, 1987.

Artigo publicado em 15/08/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.