Livros

Informações detalhadas sobre livros de História, além de fotos e resenhas dos livros. Só fazemos a disponibilização do download quando o livro está em domínio público. Não vendemos livros!

Rome at War AD 293–696

Livros > Roma Antiga  |  271 visualizações

Salvar nos favoritos
Capa do livro Rome at War AD 293–696, de Michael Whitby
Título traduzido: Roma em guerra 293-696 d.C.
Autor: Michael Whitby
Coleção: Osprey - Essential Histories
Páginas: 96
Editora: Osprey Publishing
Ano da edição: 2002
Idioma: Inglês
Skoob: Acessar

Sinopse:

No início do século 3 d.C., o Império Romano era uma força a ser reconhecida, controlando vastos territórios e exercendo enorme poder político da Escócia ao Saara. 400 anos depois, esse poderoso Império estava desmoronando diante de problemas sucessivos que os governantes não conseguiram lidar. Neste novo e desafiador volume, Michael Whitby aborda questões fundamentais (como a ascensão do cristianismo) que levaram ao "declínio e queda" do Império Romano e oferece uma reavaliação surpreendente do desempenho do falecido exército romano.


Minhas anotações de leitura

leia no Google Docs

Que tal um gostinho da obra?

Veja detalhes no Google Fotos

Análise do livro

WHITBY, Michael. Rome at War AD 293–696. Oxford: Osprey Publishing, 2002.

Essa é uma obra estranha sobre o Baixo Império Romano. O livro, que faz parte da coleção Essential Histories (Histórias Essenciais) da editora britânica Osprey, tenta tratar de tudo um pouco e acaba tratando de quase nada.

Vamos começar pelo título: Roma em guerra 293–696 d.C.:

O ano 293 é o início da tetraquia, governo de quatro imperadores estabelecido pelo imperador Dioclesiano. Porque o autor escolheu destacar esse ano é um mistério, afinal a obra começa falando da crise do século 3 e de eventos que ocorreram muito antes dessa data, além disso a data 293 normalmente não é citada por outros historiadores, que preferem destacar o ano de 284, quando Dioclesiano subiu ao poder.

O grande mistério, no entanto, é o ano de 696. O único local no livro onde ele é citado é na capa. O número 696 não aparece em nenhum outro lugar do livro, nem mesmo na lista de evento, que cita as datas mais importantes. Isso porque o ano de 696 não foi importante e nada de relevante realmente aconteceu nesse ano! Não acredita em mim? Dê uma olhada na página do Wikipédia sobre o ano 696. E a última data citada dentro do livro é o ano de 800, esse sim um ano importante na história, quando o papa coroou Carlos Magno como imperador.

No livro o autor tenta dar destaques iguais para o império romano do oriente e do ocidente, mas o problema é que nesse período os dois seguiram caminhos completamente opostos, e enfrentaram desafios diferentes. O império do ocidente deixou de existir em 476 e o oriente, com capital em Constantinopla, continou forte, inclusive sobrevivendo a cercos dos persas e ávaros (626) e das tropas árabes (674–678 e 717-718).

O autor é um defensor do conceito de "Antiguidade Tardia", uma periodização criada pelo historiador Peter Brown, que basicamente afirmava que as invasões que ocorreram entre os anos de 300-600 não causaram grandes problemas, muito da herança romana foi mantida e o período que normalmente é conhecimento como "Idade das Trevas" teria sido uma época de transição, mas não de declínio. Ou seja, para esses historiadores a queda do império do ocidente não representou uma ruptura real, os reinos bárbaros invasores não eram tão bárbaros assim e mantiveram as tradições romanas e o ocidente, mesmo com a destruição do império, se manteve muito similar ao que era antes.

É óbvio que para manter essa farsa, Michael Whitby é obrigado a passar por cima de todos os saques, massacres e destruições causadas pelos exércitos germânicos e hunos, o que ele faz sem dificuldades. Essas invasões são trabalhadas de forma muito superficial em sua obra.

O resto do livro o autor passa falando sobre como os bizantinos suportaram os ataques persas, coisa que eles também já vinham fazendo desde o século 3. Percebe? Tudo continuou igual, não houve grandes mudanças.... Quer mais uma prova de que as invasões não significaram nada? Antes das invasões já existia o cristianismo, e ele continou a existir depois! Viu só! Não houve crise ou colapso.

Eu simplesmente não tenho nada de positivo para falar sobre esse livro. Até há alguns momentos do livro em que o autor cita alguns dados interessantes, mas ele não se aprofunda em nenhum deles. Então a leitura é desagradável e pouco fluida.

Se você não sabe absolutamente nada sobre o período, talvez ache alguma coisa interessante nele. Mas de preferência leia outra obra. O livro A queda do Império Romano - A explicação militar é muito melhor, e apresenta muitas informações e teorias interessantes e mostra o verdadeiro impacto das violentíssimas guerras germânicas no século 4 e 5. Outro bom livro sobre o período de invasões bárbaras é a obra História dos Reinos Bárbaros. São duas obras que recomendo.

Resenha revisada em abril de 2021.

Resenha publicada em 01/05/2020.

Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Michael Whitby

Michael Whitby é um britânico, professor de Clássicos e História Antiga em Warwick. Ele é especialista em história romana tardia, história bizantina antiga e historiografia. Atualmente, ele é pró-vice-chanceler e chefe da Faculdade de Artes e Direito da Universidade de Birmingham

Historiador(a)

Mais livros sobre Baixo Império Romano

Arther Ferrill

A queda do Império Romano - A explicação militar

Simon MacDowall

Adrianópolis 378 d.C.

Edward Gibbon

Declínio e queda do Império Romano

Simon MacDowall

Late Roman Cavalryman 236-565 AD

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL