Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Alguns comentários sobre a representação de Ashurbanipal no jogo Civilization V

Artigos > Mesopotâmia  |  928 visualizações  |  1132 palavras

Capa do artigo: Alguns comentários sobre a representação de Ashurbanipal no jogo Civilization V

Imagem do jogo.

No curso das minhas pesquisas sobre o exército assírio, acabei descobrindo esse vídeo do rei Ashurbanipal (reinado 668-627) no jogo Civilization V. Esse é um jogo de estratégia lançado em 2010 onde aparecem vários líderes da história, entre eles  Augusto,  George Washington, Bismarck, Elizabeth I, entre outros. Confira o vídeo clicando aqui.

O vídeo me chamou atenção por alguns pequenos erros históricos, que irei discutir ao longo do artigo. Desnecessário dizer que eu tenho consciência que se trata apenas de um jogo, e eu sei que a fidelidade histórica não foi o objetivo principal. De qualquer forma acredito que conversar sobre esses tipos de erros é uma prática que pode levar à boas discussões.

A imagem que analisaremos nesse artigo.

A Porta de Ishtar e a arquitetura assíria

Nosso primeiro tópico é a arquitetura. E o que mais chama atenção nesse aspecto é a gigantesa Porta de Ishtar que aparece atrás do personagem, no fundo de um grande salão. Aqui temos nosso primeiro erro, a Porta de Ishtar foi parte de um grande conjunto de reformas realizadas pelo rei Nabucodonosor II (reinou de 604-562) na cidade da Babilônia. Ou seja, ela não só é posterior ao reinado de Ashurbanipal, em pelo menos 20 anos, mas ela também ficava em uma cidade, que embora estivesse sobre o domínio assírio, não era o centro do poder da época.

Outra questão, é o fato da porta ser representada dentro de um grande salão, quando na verdade a Porta de Ishtar era um grande portal ao ar livre, que ficava no fim da Via Processional, e era uma das partes mais movimentadas da cidade.

A Porta de Ishtar, atualmente em exposição no Museu de Pérgamo, na Alemanha.Aqui a Porta de Ishtar é vista em sua posição original no centro da cidade da Babilônia. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Continuando nossa análise da arquitetura, chama a atenção nessa imagem a existência de colunas sustentando arcos redondos. Isso é arquitetura muito avançada! Você não encontrará nada assim na antiga Mesopotâmia, isso estava muito além das habilidades dos arquitetos dessa época. Um palácio assírio teria uma aparência mais parecida com isso:

Reconstrução do Palácio de Nimrud (Kalhu) no século 7 a.C. Imagem The Institute for the Visualization of History.

Na galeria ao final do artigo eu coloquei uma imagem de uma coluna persa, do palácio de Dario (550-486 a.C) em Susa. Esse é bom exemplo para comparação. Escrevi algumas explicações que podem ser do seu interesse, se você gosta de arquitetura.

A biblioteca de Nínive

Um dos grandes feitos de Ashurbanipal foi a criação da biblioteca de Nínive. O rei fez um grande esfoço para reunir anais reais, listas lexicais, contos e lendas da Mesopotâmia, com o objetivo de preservá-las para a posteridade.  Além disso, esse rei assírio se destacou por dominar as artes dos escribas: ele sabia ler e escrever em sumério e acádio.

Os responsáveis pela criação desse jogo, obviamente, estavam cientes disso. Ashurbanipal é mostrado em uma grande sala com estantes cheias de rolos de papiro. Ao mesmo tempo, o rei segura em suas mãos um imenso tablete de argila.

Duas observações são necessárias: Primeiro, a escrita cuneiforme normalmente era feita em tabletes muito menores do que esse que o rei segura nas mãos. A maioria dos tablets cuneiforme media menos de 10 cm de altura. Mesmo assim há casos em que blocos maiores foram utilizados, mas o costume mais comum, quando o texto era muito grande, era gravar as mensagens em um formato diferente, como um prisma ou cilindro.

O segundo ponto são os papiros. A escrita cuneiforme era gravada com um estilete e a profundidade era parte do processo. Ela não era desenvolvida para ser escrita em papiros.  No entanto, por volta desse período, século 7 a.C., o aramaico ganhou muita influência em todo o oriente médio e foi gradativamente se tornando a língua predominante. O aramaico sim, possuía um alfabeto e era escrito em papiro.

Mas a biblioteca de Nínive foi criada por Ashubanipal, com o objetivo de conservar a história e a cultura da Mesopotâmia em tabletes de argila, escritos com o cuneiforme. Logo, se o objetivo dos desenvolvedores era mostrar Ashubanipal em sua famosa bibilioteca, a aparência real teria sido algo mais parecido com isso:

As estantes cheias de tabletes em cuneiforme na Biblioteca de Ashurbanipal em Nínive. Ilustração moderna, autor desconhecido.

O vestuário e as jóias

As roupas do rei estão aceitáveis. Na verdade não temos tantas referências para a imagem do rei, uma análise do vestuário obrigatoriamente passa por uma estudo profundo dos relevos presentes nas paredes dos palácios reais assírios.

Nos relevos abaixo o rei Ashurbanipal aparece em um dia de caça ao leão. São algumas das melhores imagens que possuímos como referência para suas roupas.

Ashubanipal caçando um leão. Relevo assírio do palácio de Nínive. Sala 10 do Museu Britânico. Via Wikimedia Commons.Ashubanipal caçando um leão. Relevo assírio do palácio de Nínive. Sala 10 do Museu Britânico. Via Wikimedia Commons.

Fica claro que o responsável pela criação do personagem no jogo tomou uma certa liberdade artística, mas nada além do aceitável. Na realidade, o que mais me chamou atenção, foram as jóias. No jogo o rei aparece usando uma jóia na cabeça que parece que foi retirada diretamente desses relevos.

Os padrões da coroa são idênticos aos que aparecem no primeiro relevo. Observe:

A jóia na cabeça de Ashubanipal. Comparação do jogo com o relevo assírio.

Mas o rei também aparece com braceletes próximos aos bíceps e no pulso. O bracelete superior aparece pouco no vídeo, mas aparentemente houve o desejo de replicar a joía que aparece no relevo abaixo. A jóia que o rei leva no pulso, no entanto, foge um pouco do padrão assírio. Segundo os relevos assírios a jóia que o rei usava nos punhos seria mais similar a um relógio de pulso moderno: uma faixa menor com um grande círculo no centro. Os desenvolvedores até adotaram o padrão floral, mas decidiram usar o já clássico "bracelete gigante de ouro" tão popular em filmes de Hollywood.

Braceletes do jogo x Braceletes de relevos assírios.

Gostou desse artigo?




loading

Carregando galeria...

Galeria de imagens

1 de 1

Coluna de calcácio persa, do palácio de Dario (550-486 a.C) em Susa. Embora a coluna seja complexamente ornada, em termos de arquitetura ela funciona apenas como um suporte para os troncos de madeira que sustentavam o teto. Servem como um bom exemplo do estágio em que a arquitetura estava no início do século 5 a.C. Museu do Louvre. N° AOD 1.

TAGS

Assíria

Mais artigos sobre Mesopotâmia

A língua Suméria

O Código de Hamurabi - A economia na Babilônia

Achados arqueológicos mais famosos: Suméria

Fontes bibiliográficas:

KRIWACZEK, Paul. Babilônia - A Mesopotâmia e o nascimento da civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

Site acessados:

Wikipédia. Lion hunt of Ashurbanipal Acesso em: 29 set. 2018.

Artigo publicado em 28/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Escrito por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.