Fogo Persa

O primeiro Império Mundial e a batalha pelo Ocidente

Livros > Grécia Antiga  |  249 visualizações

Capa do livro Fogo Persa, de Tom Holland
Autor: Tom Holland
Título original: Persian Fire
Páginas: 446
Editora: Record
Ano da edição: 2008
Idioma: Português
Skoob: Acessar

Sinopse:

Há 2.500 anos, Oriente e Ocidente entraram em guerra pela primeira vez. No começo do século 5 a.C., uma superpotência global, a Pérsia, estava determinada a se impor sobre dois Estados considerados terroristas, Atenas e Esparta. Tom Holland invoca cenários e personalidades clássicas para narrar a espetacular vitória dos gregos diante dos persas e apontar as implicações desse triunfo na história do Ocidente.


Imagens

Análise do livro

HOLLAND, Tom. Fogo Persa. Rio de Janeiro: Record, 2008.

"Fogo Persa" é um livro sobre as Guerras Médicas, um conflito que durou cerca de cinquenta anos (499-449 a.C.) e colocou em lados opostos o grande império da época, a Pérsia, contra as pequenas cidades-estado da Grécia.

Da perspectiva dos gregos, o conflito foi uma terrível luta por sua liberdade contra um grande império com forças de um tamanho nunca antes visto. Do ponto de vista persa, as guerras eram conflitos de fronteira que visavam expandir um império, que já era imenso, e começar a anexação da Europa. A vitória dos gregos, e a consequente formação de uma império marítimo com sede na cidade de Atenas, propiciaram o desenvolvimento de uma cultura extremamente elevada, que influenciou todo o futuro do mundo ocidental.

Tom Holland descreve essas guerras em detalhes em uma obra claramente voltada para o público geral. O autor não é um historiador, mas  sua obra apresenta várias referências a fontes, especialmente Heródoto e Plutarco. O autor adota um estilo de história narrativa.

O texto é maravilhosamente escrito e a obra fornece uma leitura extremamente prazerosa para aqueles que se interessam pela História antiga. Mas, a falta de datas me incomodou em algumas ocasiões, e o livro é claramente focado nas grandes personalidades do período, deixando os aspectos econômicos e sociais em segundo plano. Isso fica claro principalmente quando se fala do Império Persa, o que pode até ser desculpado, devido a escassez de fontes sobre o tema.

As personalidades que são destacadas pelo autor são as seguintes: Dario, Pisístrato e seus filhos Hípias e Hiparco, Xerxes, Arístides, Temístocles e Cleômenes. Holland também dá um grande destaque para as principais batalhas da guerra: Termópilas, Artemísio, Salamina e Platéia. Os quatro primeiros capítulos da obra fazem uma apresentação do histórico de persas, espartanos e atenienses  e, a partir do capítulo cinco, o autor apresenta os detalhes do conflito.

Abaixo apresento um resumo rápido de cada um dos oito capítulos do livro.

1. Estrada Khorasaniana

A estrada do título do capítulo é aquela que vai do planalto iraniano até o crescente fértil, passando pelos Montes Zagros. O autor começa a obra falando da influência da Assíria na Pérsia, dos primórdios do poderio iraniano com o rei meda Astíages e a unificação da região nas mãos do rei Ciro. Segue com a expansão do império Persa até a morte de Ciro e de seu filho Cambises, e os golpes que se seguiram que levaram ao poder o rei Dario.

Holland também faz uma introdução sobre os preceitos religiosos de Ahura Mazda e Zoroastro, que muito influenciariam os persas.

2. Babilônia

O autor comenta a importância da Babilônia para o império Persa, tendo em vista ser no século 6 a principal cidade do mundo. Além disso, as construções das novas capitais persas de Susa e Persépolis, as reformas administrativas levadas a cabo por Dario e o enfrentamento às primeiras rebeliões dentro do império também são discutidos.

3. Esparta

Todo o capítulo três é dedicado a apresentar a situação política e a cultura da principal cidade grega: Esparta.

O autor volta até o século 8 a.C. e apresenta as lutas sociais na Grécia, a conquista da Messênia, as reformas de Licurgo, a formação da Liga Espartana, os principais conflitos internos de Esparta no Peloponeso, a organização política da cidade e os seus costumes.  O capítulo acaba com a ascensão ao trono do rei Cleômenes em 520 a.C.

4. Atenas

Nesse capítulo é apresentada a história da cidade de Atenas e suas lutas de classes. O autor narra as reformas de Sólon, a atuação dos Alcmeônidas, e a tirania de Pisístrato e de seus filhos, Hípias e Hiparco, e o papel de Clístenes na formação da democracia.

5. Raspando a barba do rei da Pérsia

A expansão persa para o oeste chega a Jônia, e com isso os persa entram em contato com o mundo grego. As revoltas das cidades gregas na Jônia levam Atenas e Erétria a intervir e isso faz com que comecem as Guerras Médicas.

Nesse capítulo o autor descreve a violência e o terror das conquistas persas, a grande complexidade da burocracia persa e a reação das cidades gregas às revoltas na Jônia e aos primeiros ataques dos persas. O capítulo termina com uma extensa narração da batalha de Maratona.

6. Forma-se a tempestade

Com a morte de Dario em 486 a.C. o trono persa é assumido por seu filho Xerxes. O autor descreve em detalhes as motivações do novo rei e a preparação para uma nova campanha, após a derrota em Maratona, que seria liderada pelo próprio Rei do Reis.

Holland comenta diversos aspectos da cultura e da organização persa e narra a preparação de ambos, gregos e persas, para as novas guerras. A união entre Esparta e Atenas, a descoberta das minas de Laurion e a construção de uma nova armada ateniense. A marcha de Xerxes para a guerra, as complicações em Esparta e a decisão de enviar apenas 300 espartanos para lutar com os persas em Termópilas, auxiliados pela armada ateniense.

7. Encurralados

Esse capítulo descreve as batalhas de Termópilas (espartanos x persas) e Artemísio (atenienses x persas). Seguida pela evacuação de Atenas, o isolamento das cidades do Pelopeneso atrás do Istmo de Corinto e a preparação para a batalha de Salamina, enquanto a cidade de Atenas, invadida pelos persas, arde em chamas.

8. Nêmesis

O capítulo final da obra dá destaque para as duas batalhas que decretaram o fim das tentativas dos persas de conquistar a Grécia: Salamina e Platéia.

Holland descreve muito bem a situação da Grécia após a vitória em Salamina, e o clima de incerteza que cercou as relações entre atenienses e espartanos, até que esses últimos decidiram marchar para a guerra com quase todas as suas forças, e impor uma derrota retumbante sobre as forças persas em Platéia.

O capítulo finaliza com a utilização da Liga de Delos para a formação de um Império Ateniense. E a Paz de Cálias, que foi estabelecida em 449 a.C., após uma nova derrota persa na batalha do Eurimedonte.

Resenha publicada em 11/04/2019.

Tom Holland

Thomas Holland é um escritor inglês nascido em 1968 com formação em Inglês e Latim. Ele publicou vários trabalhos sobre história clássica e medieval. Além disso, também trabalhou com a BBC na produção de documentários para a TV com foco na história.

Entusiasta, não é formado(a) em História
Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Mais livros sobre Guerras Greco-pérsicas

Maratona 490 a.C.

Ancient Greek Warship 500-322 BC

Termópilas 480 a.C.

The Greek and Persian Wars 499–386 BC

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.