O Mundo da Arte: Antiguidade Clássica

Enciclopédia das Artes Plásticas em todos os tempos - Volume 3

Livros > Grécia Antiga  |  42 visualizações

Capa do livro O Mundo da Arte: Antiguidade Clássica, de Donald E. Strong
Autor: Donald E. Strong
Título original: Landmarks of the World's Art - The Classical World
Páginas: 176
Editora: Encyclopaedia Britannica do Brasil
Ano da edição: 1979
Idioma: Português
Skoob: Acessar

Sinopse:

Mais um livro da coleção O Mundo da Arte. Esse volume é voltado para a arte na Grécia e na Roma Antiga.


Imagens

Análise do livro

STRONG, Donald E. O Mundo da Arte: Antiguidade Clássica. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil, 1979.

Esse é o terceiro volume de uma coleção sobre a História da Arte, publicada no Brasil pela Encyclopaedia Britannica no final da década de 1970. Já resenhamos o segundo volume da série (confira aqui) que fala sobre a arte nas civilizações do crescente fértil, em especial Egito e Mesopotâmia.

Esse volume se propõe a apresentar a arte greco-romana. Nas palavras do próprio autor:

Este livro pretende oferecer um apanhado geral da arte clássica em termos da história da época e, explicando as circunstâncias em que tal arte foi produzida, fornecer uma base para sua compreensão. (p.8)

Essa obra se destaca justamente por saliantar o contexto histórico, deixando a arte em si em segundo plano. Os textos, infelizmente, são cansativos e a fonte pequena (em uma obra pesada de capa dura) não contribui para tornar a leitura mais agradável.

O termo "Arte" ganha um caráter bastante amplo nesse caso: o autor fala sobre a pintura, a cerâmica, os relevos, a escultura, os mosaicos e a arquitetura. Esse último tema é tão amplo que muito bem poderia ter um livro à parte, mas o autor fala sobre ele de forma bem superficial. Os temas preferidos pelo autor são a estatuária e os relevos.

O livro dedica os primeiros capítulos a apresentação de resumos históricos e o autor começa falando da arte na Idade do Bronze, trabalhando a civilização minóica e micênica. Mas, a partir da página 35, a obra já se volta para a história da arte grega propriamente dita, com a apresentação dos período Arcaico, Clássico e Helenístico.

A maior parte da obra é dedicada a arte grega e, nos capítulos que tratam da Roma Antiga, o tema principal é a intensidade da influência grega sobre a arte romana. O grande triunfo da civilização romana, a arquitetura, é comentado rapidamente em alguns parágrafos e não ganha o destaque que mereceria.

Mesmo sendo uma obra limitada no que diz respeito aos textos, alguns parágrafos foram interessantes e eu realmente sinto que, no fim, foi uma leitura proveitosa.

O problema da organização das fotos

O livro se destaca por ser altamente ilustrado, são 92 fotos preto-e-branco + 128 fotos coloridas. Um total de 220 fotos! Todas elas muito bem identificadas, acompanhadas de título, texto explicativo, origem e museu onde está exposta. A obra realmente chama a atenção nesse aspecto.

Infelizmente, a organização das fotos dentro do livro é confusa e pouco inteligente. As fotos em preto-e-branco são numeradas de 1 a 92, e as fotos coloridas de 1 a 128. A coleção usa um sistema estranho de referência, toda vez que o autor cita alguma imagem presente no livro, o número da imagem é colocado no lado do parágrafo, observe abaixo:

No parágrafo acima o autor fala do Templo de Selinonte, na Sicília, e o número 13 ao lado indica que alguma foto desse templo está no livro.

Você já deve ter percebido o problema não é? Pelo sistema de numeração de fotos usado no livro, há duas fotos identificadas com o número 13, além disso não há nenhuma indicação da página em que a foto número 13 está, obrigando o leitor a folhear o livro constantemente em busca das fotos citadas. É um péssimo sistema!

Como se isso não bastante, as 220 fotos do livro aparentemente não foram suficientes para o autor. Ao longo da obra ele cita diversas vezes obras de arte e locais que não estão ilustrados no livro, obrigando o leitor a buscar fotos na internet para ter uma referência visual. Mas lembre-se: esse livro foi lançada na década de 1970. Os leitores do livro na época não tinham nenhuma opção para remediar o desleixo do autor e da editora.

Como eu disse, a obra é interessante e até me ensinou algumas coisas. Mas há livros que trabalham a questão artística desse período de forma muito mais profunda e didática. Eu recomendo a leitura dos seguintes livros: História da Arte da Universidade de Cambridge: Grécia e Roma, com excelentes ilustrações e bons textos, e Nossa Herança Clássica, uma obra em que Will Durant, sem o auxílio de qualquer imagem, consegue construir um quadro mais complexo e mais vivo da arte grega.

Resenha publicada em 19/08/2019.

Donald E. Strong

Diretor do departamento de Antiguidade Grega e Romana do Museu Britânico, de Londres.

Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Mais livros sobre Arte greco-romana

História da Arte da Universidade de Cambridge: Grécia e Roma

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.